Ana Lucia Nicolau : Decisão do STJ sobre doação feita por casal no divórcio beneficiando os filhos em comum
24 de junho de 2017

NOTÍCIAS

12/11/2016

Decisão do STJ sobre doação feita por casal no divórcio beneficiando os filhos em comum


Interessante decisão que exclui a necessidade de escritura pública ou abertura de inventário do doador falecido -

Interessante decisão da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça entendendo que, a doação feita por ex-casal, beneficiando os filhos em comum, em ação de divórcio devidamente homologada em juízo, pode ser registrada, independentemente de escritura pública ou de abertura de inventário de um dos doadores que, posteriormente, veio a falecer.
Abaixo, cópia da notícia com o título “Doação a filhos homologada em ação de divórcio pode ser registrada em cartório” que divulgou a decisão no site do STJ.
A doação feita por ex-casal beneficiando os filhos em comum em ação de divórcio devidamente homologada em juízo pode ser registrada independentemente de escritura pública ou de abertura de inventário, porquanto suficiente a expedição de alvará judicial para o fim de registro do formal de partilha no cartório de imóveis.
Com esse entendimento, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu recurso para dispensar a abertura de inventário de um dos doadores, que veio a falecer, e a necessidade de realização de nova partilha de bens, permitindo que a doação realizada em favor dos filhos no momento do divórcio fosse registrada no cartório de imóveis mesmo sem a escritura pública de doação.
O acordo de partilha incluía a doação de imóveis aos filhos, com reserva de usufruto vitalício. O cartório de imóveis, porém, recusou-se a registrar o formal de partilha sem a apresentação da escritura pública de doação, que não poderia sequer ser elaborada em virtude da morte de um dos doadores.
Eficácia idêntica
A viúva ingressou em juízo sustentando a desnecessidade de uma nova partilha de bens em inventário pela inexistência de outro bem a ser partilhado. Defendeu a possibilidade de registro do formal de partilha sem a escritura de doação, porém, o pedido foi negado.
Para o relator do caso no STJ, ministro Villas Bôas Cueva, a exigência das instâncias ordinárias é descabida, já que a separação judicial homologada tem eficácia idêntica à da escritura pública.
“Não há necessidade de realização de partilha dos bens do falecido, devendo-se manter hígida a doação de bens aos filhos decorrente de sentença homologatória de acordo judicial em processo de divórcio dos pais, dispensando-se a necessidade de escritura pública”, explicou o relator.
Jurisprudência
O ministro destacou que o entendimento é sedimentado no STJ, já que a promessa de doação aos filhos prevista no acordo de separação não constitui ato de mera liberalidade. Os demais ministros da turma acompanharam o voto do relator.
Com a decisão, os ministros determinaram a expedição de alvará judicial para o registro do formal de partilha.
Além de citar vários precedentes do STJ, Villas Bôas Cueva mencionou em seu voto doutrina do ministro Paulo de Tarso Sanseverino, para quem, “embora não se reconheçam, em regra, efeitos para o pactum donando no direito brasileiro, tem sido atribuída eficácia ao compromisso de doação de bens assumido por qualquer dos cônjuges no processo de separação do casal”.
O número deste processo não é divulgado em razão de segredo judicial.


    Compartilhar

INFORMAÇOES INTERESSANTES

12/06/2017

Locação de imóvel urbano - Pagamento de taxa condominial extraordinária

O inquilino/locatário é obrigado a pagar a taxa extraordinária de condomínio, para pintura de fachada do prédio?

saiba mais

03/06/2017

Consumidor - Direito Básico -

O consumidor tem o direito de saber quanto paga de imposto - na compra de um produto?

saiba mais

28/05/2017

Processo Civil - Citação de ambos os cônjuges -

Para o Código de Processo Civil, quando ambos os cônjuges devem ser citados, para uma ação judicial cível?

saiba mais

LOCALIZAÇÃO

Av. Ibirapuera, nº 2.907 Conjunto 719 - Moema - São Paulo - SP Fone:(11) 5096-4600

Ana Lucia Nicolau 2011© - Todos os direitos reservados à advogada Ana Lucia Nicolau.